sábado, 28 de julho de 2012

Palavras




Quero amar-te mais
E sempre mais,
Dar-te o corpo e a alma,
Mas não dou as Palavras…

As Palavras são minhas,
Só escrevo o que quero
Só digo o que posso dizer
Todo o resto,
É fantasia tua e dos outros.

Só eu sei dos meus silêncios,
Das minhas dores,
Dos meus sofismas,
Só eu sei!


Mas quero amar-te
Acima de todas as dúvidas,
Acima de todas as intolerâncias,
Acima dos legados dados por mim
E alguns recusados!...

 

Apenas tu existes no meu sentir!
Acredita,
Aproxima-te,
Vem até mim e saboreia o encanto


Do Poeta que tudo dá
Que tudo canta,
Em horas mortas
E acorda em horas vivas,
Num outro Lugar.


Mas acredita, neste amor
Maior do que o tempo
Que nos resta…
E vem, sempre e sempre
Uma vez mais
  

E saboreia a ternura subtil e quente,
Deste vulcão que canta
E se expande de seguida
E usa as Palavras do meu encanto!

Mas não sou tua
Nem de ninguém,
Apenas a contradição de mim mesma!

E existo nas palavras que digo
E que escrevo
Todo o resto é silêncio
E vozes caladas!


Mas amo-te!
Tão diferente o dizer…
Daquilo que se faz


Com outro intento
E é tormento,
De amor e desejo
Ao mesmo tempo…



((Maria Luísa Adães))

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir