quarta-feira, 3 de abril de 2013

V|c|@dA


Viciada. Era isso, no mesmo estado de qualquer dependente químico, que faz o que for preciso pra sentir o efeito da droga mais uma vez. E tem crise de abstinência, alarmes falsos de cura, recebe ajuda e não quer, “tô bem, posso controlar, eu juro”. Mas não posso. Aliás, não como qualquer um, eu já sou de um estado avançado. 
A doce sensação só por uma última vez, que nunca é a última de verdade. Só que a minha droga é o amor. 
E como se reabilita um coração compulsivo? Acho que não se reabilita, se rende. Foi o que eu fiz. 
Porque o embrulho no estômago de uma partida me parece mais saudável, confortável e familiar do que um estômago vazio. Odeio vazios. 
Por isso transbordo e quase sempre afogo quem não sabe nadar. Que se dane, falha deles, falha de toda uma cultura que acha que “é melhor pecar por falta, do que por excesso”. Odeio faltas. 
E a gente nasce programada a preferir vazios a qualquer sensação estranha ou que não seja muito cômoda. Bando de covarde! 
Foi por isso que me viciei. A minha droga se tornou ilegal, não é bem aceita, é pouco procurada e alvo de olhares tortos, dedos apontados, julgamentos. 
Mas já era, viciei. 
Não consegui viver de doses homeopáticas, porque só ela me livra de toda uma sociedade, de todas as histórias mal vividas, da loucura da vida, de mim. 

Só assim eu me derramo pelo mundo, marco fundo, alcanço o céu e sou livre, enfim. E todas as vezes de desespero, que me injetei desapego, nunca expulsaram todo esse amor de mim.



((Marcella Fernanda))

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir